Notícias

11

MAI

Workshop - “Conservação de Documentos e Livros em Papel” 16 e 17 de Junho - Arquivo Histórico Ultramarino

Público Alvo Ação de formação destinada a público não especializado em Conservação e Restauro. Objetivos Compreensão de tipologias e danos comuns em documentos e livros de papel, com observação directa de exemplos e partilha de experiências por parte dos participantes. Aprendizagem de metodologias de conservação – higienização, intervenção mínima e acondicionamento – com apresentação de diversas possibilidades e aplicação em casos práticos. download aqui

21

SET

Work in progress... Um acervo histórico constituído por documentação avulsa

Work in progress... Um acervo histórico constituído por documentação avulsa - cartas, cartões de visita e boas festas, registos de compra e venda - para reorganizar e reacondicionar, de forma a garantir a sua preservação. Depois de limpa e desdobrada a documentação, foi inserida dentro de bolsas de poliester, que protegem e pemitem a leitura do documento (frente e verso) sem o manusear. Posteriormente, as bolsas foram colocadas dentro de pastas de cartão acid-free e, finalmente, dentro de caixas de cartão acid-free.

23

SET

Inauguração da Exposição: Tirée para a Rainha Dona Amélia e a Fotografia

Inauguração da Exposição: Tirée para a Rainha Dona Amélia e a Fotografia que terá lugar no dia 29 de setembro de 2015, pelas 19:00h, no Palácio Nacional da Ajuda.

Os últimos 20 anos da monarquia ficaram registados fotograficamente, não só através do trabalho de diversos profissionais portugueses, como pelas imagens feitas pela família real revelando um interesse invulgar na utilização da fotografia. Os inúmeros álbuns de fotografia coligidos pela Rainha Dona Amélia e pelo Rei D. Carlos tornam evidente o interesse destes monarcas pela fotografia. A família real foi retratada pelos grandes fotógrafos portugueses e estrangeiros, chegando até nós imagens excecionais, em grande parte desconhecidas.

A exposição comissariada por Luis Pavão reúne cerca de 130 imagens, e é produzida em parceria pela Fundação Casa de Bragança, Palácio Nacional da Ajuda e Centro Português de Fotografia.

 

23

SET

Conferência sobre «Fotógrafos portugueses na diáspora

Conferência sobre «Fotógrafos portugueses na diáspora», por Angela Camila Castelo-Branco, no âmbito do Encontro “Arquivos para a História da Fotografia e dos Fotógrafos em Portugal (sécs. XIX e XX), Sociedade de Geografia de Lisboa, 23 de Setembro, 16h00. Nas décadas imediatamente a seguir ao advento da fotografia (de 1840 aos finais do século XIX), foram alguns os fotógrafos portugueses que trabalharam e abriram estúdios em diversos países espalhados pelos vários continentes (Brasil, EUA, Guiana Inglesa, Antilhas, Aden, Sião, Zanzibar, etc). Emigrantes ou luso-descendentes, procuraram melhorar a sua condição económica e social, ao mesmo tempo que consolidavam os seus conhecimentos técnicos na área da fotografia. Tratava-se de uma profissão nova e de uma arte ascendente, com a vantagem de revelar também potencialidades comerciais. Este núcleo de fotógrafos, que considero importante para o aprofundamento do conhecimento e estudo da História da Fotografia Portuguesa, é composto por alguns nomes que fizeram história nos países para onde emigraram. Nalguns casos, o sucesso foi reconhecido em vida. Muitos foram premiados em exposições universais, em voga nos finais do século XIX e princípios do século XX; outros obtiveram a almejada chancela de “Fotógrafos da Casa Real”; e outros ainda distinguiram-se pela publicação de álbuns fotográficos. Quase todos foram fotógrafos de “rostos e poses”, de vistas, tipos humanos e costumes, paisagistas; e muitos ainda aceitaram encomendas de trabalhos de levantamentos topográficos, de transportes e comunicações, assim como alguns trabalhos de carácter etnográfico. À semelhança da importância que atribuímos ao trabalho dos fotógrafos estrangeiros no início da fotografia em Portugal, os fotógrafos portugueses na diáspora são hoje mencionados como referência dos primórdios da fotografia nos países que os acolheram. E fazem parte, de pleno direito, da história da Fotografia Portuguesa.